1

Jogo Online mais popular que Facebook no Reino Unido

25 outubro, 2010

Britânicos preferem jogo online (Online Gambling) ao Facebook

E, se eu disser, que no Reino Unido, os britânicos preferem mais jogar na internet jogos a dinheiro do que passar o tempo no Facebook, acreditam? Pois bem, este foi o resultado de um estudo promovido pela empresa Nielsen Media Research que colocou os níveis de popularidade do sector de jogo online acima do popular Facebook ou MySpace.

No estudo desenvolvido pela Nielsen Media Research ao longo do último ano, descobriram que cerca de 3,2 milhões de britânicos visitaram sites de jogos online em 2009, com um incrível aumento de 40% em termos homólogos, enquanto 2,2 milhões visitaram o Facebook e outros sites de redes sociais.

O estudo, também destacou os grupos demográficos, e conferiu que quase 50% dos jogadores online têm formação superior e pertencem à classe média/alta auferindo mais de 50 mil euros por ano. As mulheres também compõem quase metade (46%) da população que acede a jogos online.

Numa reacção ao estudo, Neil Betson da Nielsen Media Research, disse: "Embora o fenomenal crescimento das operadoras de jogo online nos últimos dois anos, esta tem sido impulsionado por ambos os sexos e de todas as idades, predominantemente por homens de meia-idade, de famílias com um nível de escolaridade elevado e alto poder de compra."

Esta mudança radical na sociedade britânica, não pode ficar indiferente à perda de clientes dos Casinos terrestres para o sector de jogo online. A possibilidade de os jogadores privarem dos mesmos jogos de casino ou apostas em suas casas, tem retirado de ano para ano pessoas nos tradicionais casinos.

Página Inicial

0

Espanha aponta para 2011 abertura do mercado legal de apostas online

24 outubro, 2010

Espanha tem no horizonte abertura do mercado de jogo online em finais de 2011

Como disse a meio da semana, a nossa vizinha Espanha está em negociações para a criação de um quadro legal e regulamentado para o sector das apostas online. Muitas reuniões estão em curso, e vários intervenientes, entre os quais, governo, Loterías y Apuestas del Estado (LAE) e respectivas comunidades autónomas tentam chegar a um concenso em torno de modelo (principalmente tributário) que agrade a todas as partes.

Mas a grande novidade do dia, acaba por chegar de Copenhaga, na Dinamarca, onde decorre a Conferência European iGaming Congress (EiG), onde estão reunidos grande parte dos líderes da Indústria de jogo, e onde, o Director da Apuestas del Estado (semelhante à nossa Jogos Santa Casa) Juan Carlos Alfonso Rubio, disse que, os operadores de jogo on-line poderão ser licenciadas e estar em funcionamento até ao final do próximo ano (2011) ou mais tardar no início de 2012.

Esta informação foi vinculada pelo site GamblingCompliance, num artigo chamado: “Spain Eyes 2011 Online Gambling Launch”.

Citando a mesma fonte, Alfonso Rubio (LAE) afirmou que a regulamentação das apostas online poderiam ser aprovadas antes do Verão de 2011, e que, os operadores de jogo online que operam em Espanha, poderiam obter o primeiro certificado no final do próximo ano ou no início de 2012.

Juan Carlos Alfonso confirmou também a conceder licenças para exploração de apostas desportivas e licenças conjuntas para poker e jogos de casino online.

Representantes da LAE, incluindo Juan Carlos Alfonso, e representantes do Ministério das Finanças realizaram sua primeira reunião formal com as autoridades fiscais das comunidades autónomas no dia 21 de Outubro, poucas semanas depois de o Governo anunciar que tinha desenvolvido um projecto de lei sobre apostas na Internet.

Juan Carlos Alfonso, que na Conferência na Dinamarca, esteve na companhia das entidades reguladoras de jogo de Itália (AAMS) e de França (ARJEL), disse que a Espanha poderia beneficiar com as experiências de ambos os mercados, recentemente legalizados/regulados, na elaboração do novo regulamento, que inclui a tributação em curso, que até agora tem sido um dos temas que mais gera polémica e divisão no processo jurídico espanhol.

O Director de Coordenação da LAE decidiu recusar a ideia de aplicar uma taxa de 10% nas receitas brutas de jogo, proposto por algumas autoridades regionais, por considerar ser um imposto muito baixo. Em contraste, a abordagem actual para apostas desportivas online, está a pagar um imposto sobre o volume de negócios, como na Itália e na França, mas insistiu que não seria tão alto quanto o dos seus vizinhos franceses.

Quem não gostou nada da ideia, foram as empresas espanholas de apostas online e tradicionais (casinos, etc) que de imediato exerceram pressão sobre os níveis de tributação, logo que o governo anunciou, há um mês, os seus planos para o licenciamento e regulação do mercado de apostas online.

Sobre este assunto, Juan Carlos Alfonso Rubio disse: "O factor mais importante quando se trata de impostos são as regiões autónomas, e não as opiniões dos operadores".

No entanto, e uma vez que seja alcançado um acordo com as autoridades regionais, serão consultados os operadores nacionais e estrangeiros sobre o projecto de lei do jogo on-line, bem como as taxas e impostos.

Por sua parte, o advogado Santiago Asensi, que participou como orador na Conferência, e que sempre questionou a falta de transparência no processo de reforma no jogo espanhol, saudou, desta vez, o anúncio feito por Juan Carlos Alfonso Rubio e disse: "É muito positivo falar neste momento sobre os passos para a abertura do mercado espanhol".

Espero trazer-vos brevemente novidades sobre o assunto da regulação espanhola.

Página Inicial

0

Resultados trimestrais da Bwin e William Hill

22 outubro, 2010

Resultados do terceiro trimestre/2010 da Bwin e William Hill

Foram publicados os resultados do terceiro trimestre de 2010 das operadoras de jogo online Bwin (Àustria) e William Hill (Reino Unido), com ambos os balanços satisfatórios.

A Bwin, registrou um volume de negócios no segmento de apostas desportivas de 11,1% para 878,4 milhões de euros, a receita bruta dos jogos foi de 21,9% para 123,1 milhões de euros, e com lucro líquido de 14,3%, para 95,3% em relação ao mesmo período de 2009.

O Poker, que foi lançado no mercado francês, com sucesso, contribuiu assim para o crescimento do segmento no Grupo. O rendimento bruto do poker aumentou 43,5% para 33,2 milhões de euros. O segmento de jogos de casino, foi a único a registrar queda, muito por culpa das limitações de operações em mercados em França e Itália. A Bwin tem aproximadamente 1,2 milhões de clientes aCtivos e 299 mil novos clientes.

Já a britanica William Hill, apresentou um forte crescimento durante o mesmo período do ano passado, nos lucros no negócio a retalho. O lucro líquido da empresa cresceu 22%, e entretanto, as receitas aumentaram 35%, enquanto os ganhos antes de juros e impostos (EBITA) cresceram 64%. A William Hill Sportsbook, aumentou a renda líquida em 287% para 25,8 milhões de euros.

Página Inicial

0

Bwin maior galardoada na entrega de prémios da Indústria de Jogo online

21 outubro, 2010


Pela primeira vez, a Indústria de apostas online, reuniu-se para eleger as melhores operadores no mercado pelos diversos segmentos, tendo a Bwin arrecadado grande parte dos prémios.

A cerimónia, de nome, Monaco iGaming exchanges 2010, teve lugar num hotel de luxo no Monaco, na Baía de Monte-Carlo, onde especialistas em jogo, especialistas do sector e jornalistas avaliaram os seguintes critérios para estabelecer o vencedor: a reputação da operadora, o processo de registro, navegabilidade e usabilidade, prémios, qualidade gráfica, transporte, serviço ao cliente e programas de fidelização.

Embora a competição fosse bastante forte, a Bwin destacou-se de todos os adversários, e ganhou os prémios de melhor operadora de apostas desportivas online, melhor operadora de qualidade/diversidade de jogo, e melhor operadora dos jogos via telemóvel.

Os restantes premiados foram os seguintes:

- Melhor operador de apostas de corridas de cavalos: PMU.fr.
- Melhor operador de casiono online: 888.com.
- Melhor operador de poker online: Winamaxs.
- Melhor campanha na televisão: PMU.fr.
- Prémio especial para o operador mais responsável: PMU.fr

Página Inicial

0

Espanha acelera projecto de regulação de Jogo Online

18 outubro, 2010


A Espanha, é um dos países da União Europeia que vai regulamentar brevemente a sector do jogo/apostas online. Desde o processo de intenções, até o presente momento, houve muitas discussões, nomeadamente, a nível do modelo tributário a colocar em prática pelo estado e as 17 comunidades autónomas.

A percentagem sobre os lucros que as empresas de apostas online terão de pagar ao estado espanhol; os trâmites legais de protecção dos consumidores; as regras de mercado para que as empresas possam competir em igualdade de condições, são condições imperiais.

Com o início das conversações entre o estado espanhol e as autoridades regionais, pretende-se acelerar as reformas de jogo on-line e apresentar um projecto final de lei ao parlamento até final do ano. Por agora, o Ministério das Finanças apresentou às autoridades fiscais regionais um projecto completo com incidência no jogo online, com taxas de imposto proposto.

Quando os Ministros anunciaram, no passado mês de Setembro, que o Gabinete havia aprovado os planos para licenciar e regulamentar o sector de jogo online, foi deixado claro que os governos regionais, que actualmente regulam a maioria das formas de jogo, receberiam a maior parte das receitas fiscais.

Após muitos intraves e tempo perdido, alguns advogados locais disseram que as reformas estavam finalmente a avançar e previram que a legislação poderia ser aprovada até ao Verão do próximo ano. O Orçamento de Estado espanhol para 2011 vai ser peça-chave para a reforma, já que irá separar o jogo do monopólio estatal Loterías y Apuestas del Estado (LAE) em várias entidades reguladoras e operadores licenciados.

Um membro da Loterías y Apuestas del Estado (LAE), presente na reunião, disse a uma fonte de comunicação, que a Espanha queria iniciar rapidamente a nova legislação e que poderia ter o projecto final antes do final de 2010. Depois de dois anos de avanços e recuos, a LAE quer ver terminado este processo e garantir a confiança às empresas europeias no compromisso com a reforma do mercado.

A LAE, tem sido acusada de morosidade no processo de legislação de jogo, tendo também grandes responsabilidades nos novos regulamentos. Antes destas recentes movimentações pela regulamentação, a LAE, unicamente mostrou uma apresentação em PowerPoint, em Janeiro, com planos vagos para dividir-se em unidades regulamentares e exploração.

Sanitago Asensi, especialista do sector e sócio da empresa espanhola Asensi Abogados, saudou os progressos rápidos, mas disse que a falta de um processo transparente foi preocupante. "O processo ignora completamente as empresas europeias, as quais poderiam dar uma ajuda neste processo, e aumentaria pontos válidos, sem necessariamente seguir o seu próprio interesse.", disse Asensi.

Página Inicial

3

Mercado regulado de jogo online reclama plena harmonização na União Europeia

14 outubro, 2010

Indústria licenciada de jogo online espera haver harmonização na EU

A Europa beneficiará das regras comunitárias harmonizadas que regem a indústria do jogo online. Esta foi a mensagem transmitida, ontem, por Norbert Teufelberger, co-CEO da Bwin, para uma grande audiência no Parlamento Europeu, durante a realização do terceiro evento do "Dia do Jogo Responsável".

Organizado pela Associação dos operadores de jogo e apostas online (EGBA -European Gaming & Betting Association), orgão que representa o sector licenciado da União Europeia (UE), o Dia de Jogo Responsável deste ano - intitulado "Jogo Responsável em um mercado digital único" - reuniu mais de 150 delegados, incluindo as mais altas autoridades da UE, representantes dos sectores do jogo públicos e privados, académicos e sociedade civil para discutir o estado actual do jogo online na Europa e encontrar um equilíbro para a regulamentação do jogo nos Estados-Membros da UE.

Norbert Teufelberger, co-CEO da bwin e presidente da EGBA, continuou: "Com quase dois terços dos Estados-Membros da UE já a trabalhar nisso, ou pelo menos a ponderar uma reforma do mercado de jogo, é agora o momento certo para garantir que a regulamentação seja uma realidade para os consumidores, operadores e Europa.

A regulamentação deve ser harmonizada, para que os consumidores tenham um nível idêntico de protecção, independentemente do país onde jogam. O jogo on-line é uma actividade transfronteiriça e defesa do consumidor deve igualmente ser aplicada dentro e fora de fronteiras".

Falando em nome da Comissão Europeia, Jean Bergevin, Chefe da Unidade Direcção-Geral do Mercado Interno, disse: "A Comissão está decidida a avançar com uma consulta (até final de 2010) com base em factos objectivos, na forma de um Livro Verde (1) que contêm as informações necessárias para determinar os sistemas mais eficientes e consistentes que satisfaçam os objectivos de reconhecido interesse público ".

O anfitrião do evento, no Parlamento Europeu e eurodeputado, Timothy Kirkhope, disse: "Esta é uma oportunidade de ouro para começar a pôr em prática a igualdade de condições para um sector que está a lutar com uma multiplicidade de diferentes regras. Tenho muita fé que o Comissário Michel Barnier terá em atenção às nossas discussões de hoje, e começar a desenvolver uma estratégia para garantir que o sector do jogo on-line possa tornar-se parte do mercado legislado em todos os estados-membros."

(1) - Livro Verde é um documento da responsabilidade da Comissão Europeia, tem por objectivo fomentar a reflexão sobre um assunto específico, a nível da UE. Convida à participação no processo de consulta e debate dos temas em consideração. Concluído este processo, o Livro Verde dá lugar ao Livro Branco que é documento, publicado pela Comissão Europeia, que agrega propostas de acção comunitária em domínios específicos. Pode surgir na sequência de um Livro Verde.

Página Inicial

0

Liga quer regulação urgente das apostas desportivas

13 outubro, 2010

Fernando Gomes apelou para a urgência na regulação das apostas desportivas

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) afirmou que existe uma “necessidade urgente” de regular a actividade das apostas desportivas em Portugal para o organismo “ter um justo retorno” da utilização das suas competições.

Não é tempo de desperdiçar recursos de uma actividade que movimenta cerca de 700 milhões de euros e necessita de ser regulada. É justo o retorno daquilo que é a utilização das competições por parte dos operadores que tiram rendimentos desses direitos que pertencem à Liga”, afirmou Fernando Gomes.

O dirigente máximo LPFP falava aos jornalistas em Lisboa após uma reunião de pouco mais de duas horas de uma Comissão Interministerial, que tem como objetivo apresentar uma proposta de legislação no sector das apostas desportivas online.

Desde o início do nosso mandato dissemos que a questão das apostas online era uma actividade que não podíamos deixar de vincar junto do governo e alertar para a circunstância de haver um conjunto de receitas que estavam a ser desperdiçadas”, lembrou.

De acordo com Fernando Gomes, há uma “necessidade urgente de resolver e regular” o funcionamento das casas de apostas online em Portugal e considerou que “está tudo no caminho certo para ter essa questão resolvida”.

O licenciamento de alguns operadores também tornará mais claro e mais fácil a questão dos patrocínios aos clubes e competições. É um tema que não é completamente e suficiente claro em função desses operados não terem actividade regulada», concluiu Fernando Gomes”, concluiu o presidente da LPFP.

Por parte da Comissão Interministerial, nenhum membro se mostrou disponível para falar aos jornalistas.

Fernando Gomes diz que é urgente regular Apostas Online (àudio)


Fonte: Record

Página Inicial

0

Poker online em Itália factura milhões

12 outubro, 2010

Poker online em Itália em crescente de receitas

Há três semanas dei conhecimento da paixão que os italianos nutrem pelo emergente Poker online, e mais uma vez os números comprovam que este jogo de estratégia é uma excelente fonte de receitas para governo e operadores de apostas.

O mercado do poker online continua a crescer em Itália, com receitas acima de 11% em Setembro/2010, de 245,2 milhões de euros em relação a Agosto, e 18% em relação ao mesmo mês de 2009.

Durante os primeiros nove meses do ano, as vendas de poker atingiram 2,3 mil milhões de euros, contra 1,6 mil milhões no mesmo período do ano passado. Se esta tendência continuar positiva, as receitas de poker online devem chegar aos 3 mil milhões de euros no final de 2010.

Balanço
Operador/Agosto/Setembro/Aumentos (esq p/dir)


Em Setembro, todos os operadores de jogo online tiveram aumentos de receitas. A Microgame, segue na liderança do mercado, registando um facturamento de 70 milhões de euros.

A PokerStars, a maior sala de poker na Itália, confirmou a segunda posição no mercado, com um volume de negócios de 53,3 milhões de euros, enquanto Gioco Digitale (Bwin) registou um volume de negócios de 38,5 milhões. A Eurobet e a PartyPoker também tiveram bom desempenho.

Além disso, alguns dos operadores online viram a sua quota de mercado aumentar em Setembro. Este é particularmente o caso da Microgame, Gioco Digitale (Bwin) e da Eurobet.

Balanço
Operador/Share Agosto/Share Setembro (esq p/dir)


Página Inicial

Ler Mais
0

Números e estatisticas do mercado de apostas online em França

11 outubro, 2010

Meio milhão de apostadores franceses jogam semanalmente online

No meu último artigo centrei-me nas dificuldades de combater os sites ilegais de jogo e na concorrência do emergente mercado regulado francês de apostas online, e horas depois, sairam dados oficiais que explicam a evolução estatística do mesmo.

A grande curiosidade e surpresa dos números são que as apostas desportivas, nomeadamente o futebol, não são definitivamente a grande paixão dos gauleses. O poker (nº1) prossegue a sua linha ascendente e dinâmica, e as apostas em corridas de cavalos está dentro das expectativas previstas.

Mas falando em números divulgados pela ARJEL (autoridade reguladora de jogos online francesa), das 30 operadoras oficiais foram concedidas 40 licenças. Existem neste momento, meio milhão de apostadores activos todas as semanas a jogar online nos sites legalizados pelo governo. Desde a abertura oficial do mercado regulado em França, foram registadas dois milhões de novas contas e, em média, o apostador francês gasta 100 euros por semana, ou seja, cerca de 7 euros por aposta.

Como também tinha referido no meu último post, também a atitude do jogador/apostador francês está a mudar. Muitas das campanhas de publicidade das casas de apostas e do governo estão a ser levadas em conta pelos "clientes" e estes jogam nos sites credenciados.

O presidente da Arjel, Jean-François Vilotte, considera que a lei atingiu seu objectivo ao transferir o jogo ilegal na internet para sites legais, no mercado estimado em cerca de mil milhões de euros antes da abertura à concorrência. Desde a implementação da nova lei de jogo, 250 milhões de apostas foram feitas em sites autorizados.

As apostas no desporto representam 250 milhões de euros, desde Junho, isso significa que um quarto do mercado de apostas desportivas on-line foi deslocado para a oferta legal. O futebol destaca-se apenas em 56% dos montantes jogados, os jogadores preferem as competições estrangeiras em vez da Ligue 1 e 2. Os numeros são claros, os franceses gastam por semana 1,5 milhões de euros. Aliás, desde o final do campeonato do mundo, os números das apostas no futebol registaram uma queda acentuada.

Em contraste com o desporto rei, as apostas em corridas de cavalos são muito queridas pelos franceses e seguem em linha com as previsões, com valores na ordem dos 250 milhões de euros apostados, desde a abertura do mercado. No trono desde segmento, a PMU captura a maior parte dos montantes jogados.

Mas o grande líder de segmento de mercado de apostas online é o Poker, à frente das apostas desportivas e das corridas de cavalos. Mas neste caso, a ARJEl não informa as receitas obtidas, devido no Poker ser possível jogar-se várias vezes durante o mesmo jogo.

Página Inicial

0

Sites ilegais de apostas online prejudicam mercado francês

10 outubro, 2010

Mercado regulado de apostas em França não é "El Dorado" para operadoras!

O recente mercado regulado de jogo online, em França, não está a atingir as melhores espectactivas dos operadores licenciados. Após dois meses iniciais optimistas, nomeadamente com o grande fluxo que provocou o mundial de futebol, e o arranque intermitente dos principais candidatos ao título da Liga Francesa - que levou as casas de apostas a aumentarem as suas odd´s -, a anàlise comum ao jogador/apostador francês tem que ser considerada moderada, ou seja conservadora.

A ARJEL (autoridade reguladora francesa de jogo online) ainda enfrenta também a problemática dos sites de operadores de jogo ilegais, que segundo as estimativas ainda rondam os 30% a 40% das apostas realizadas.

Desde Junho, altura em que entrou em vigor a legalização dos jogos de azar na Internet, em França, nem todos os operadores têm tido a sua sorte grande. A BetClic, filial da Mangas Gaming, controlado por Stéphane Courbit e pela Société des Bains de Mer, garante o primeiro lugar nas apostas desportivas e a terceira posição no poker (atrás da PokerStars e da Winamax), com 800 mil jogadores franceses registados.

A PMU e a FDJ, casas de apostas francesas, também também apresentam um crescimento desde junho. A PMU, com um aumento de 58% (+ 32% desde janeiro/2010), e com 500 mil clientes até o momento. Com 300 mil clientes, a FDJ tem objectivos mais moderados em relação a junho, embora espere alcançar valores na ordem dos 9 a 10 milhões de euros este ano, um valor que a ser conseguido dobra o de 2009.

Na realidade, o jogo on-line em França não é o “El Dorado” que se esperava por alguns operadores profissionais, isto, após a dinâmica que o mercado estabeleceu após o Mundial de futebol, disse Christophe Blanchard-Dignac, CEO da FDJ.

De acordo com Nicolas Beraud, director-geral da Manga Gaming, o mercado francês ainda é pequeno, rende cerca de 650 milhões de euros de receitas anuais. 200 milhões em apostas desportivas, 250 milhões no poker e 200 milhões para as corridas de cavalos.

O governo lamenta a concorrência ilegal de milhares de sites que operam numa lógica de mercado negro. Apenas trinta licenças foram atribuídas a operadores de jogo e autorizados a oferecer os seus serviços. Dos 51 pedidos de licenciamento, a Arjel concedeu 40 autorizações para as diferentes ofertas: 12 para apostas desportivas, 21 para poker e 7 para apostas de corridas de cavalos.

A consolidação do sector de jogo online em França

O grosso do mercado é composto por essas 30 empresas de jogo on-line. O mercado ilegal ainda representa um grande rombo nas receitas. Ainda existe um caminho a percorrer, mesmo que a luta contra a ilegalidade esteja em execução. A Arjel enviou mais de 50 notificações a sites ilegais. A lei proíbe agora os sites de apostas sem licença de registar novos jogadores.

A concorrência em França é forte, as empresas de apostas sabem disso e colocam o seu esforço na promoção das suas marcas e na qualidade/eficiência dos seus serviços. Num mercado competitivo como o francês, apenas os mais fortes sobrevivem e a consolidação já começou, com a aproximação (fusão) da austríaca Bwin e à PartyGaming.

Página Inicial

0

Conselho de Presidentes coloca regulação das Apostas Online como prioridade

08 outubro, 2010

Conselho de presidentes de futebol profissional deseja regulação das apostas online

A primeira reunião do Conselho de Presidentes, que integra todos os clubes profissionais da Liga ZON/Sagres e Liga Orangina deu relevo às intenções em se resolver o pendente da regulação das apostas desportivas na internet em Portugal.

Da reunião resultou que os clubes presentes elegeram Carlos Pereira (Marítimo) e José Godinho (Oliveirense), respectivamente primeiro e segundo vice-presidentes do Conselho de Presidentes.

Fernando Gomes, presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional considerou que a presença massiva dos líderes dos clubes no Conselho de Presidentes (CP) “pode ser encarada como um contributo aglutinador e pacificador do futebol”.

No que toca a (outras) conclusões, Fernando Gomes e os presidentes decidiram concentrar a sua atenção na resolução da questão da regulamentação das apostas on-line e na reavaliação das dívidas fiscais enquadradas no âmbito do “totonegócio”.

Para 14 de Outubro, anunciou ainda o presidente da LPFP, está prevista uma reunião com a comissão interministerial que proporá a legislação e o enquadramento das apostas desportivas on-line em Portugal.

A reavaliação das dívidas fiscais dos clubes ao abrigo do “totonegócio”, que tem perdido verbas significativas desde 1998, é outra das pretensões dos presidentes, tal como o entendimento para a revisão dos estatutos da FPF.

Vídeo


Página Inicial

0

Ligas europeias aprovam regulamentação das apostas online

06 outubro, 2010

Emanuel de Medeiros - Presidente da Associação de Ligas europeias de futebol

A Associação das Ligas Europeias de Futebol Profissional (EPFL) aprovou por unanimidade, em Assembleia Geral (AG), em Londres, uma proposta de código de conduta para a regulamentação das apostas desportivas online.

Emanuel Macedo de Medeiros, diretor geral executivo (CEO) da EPFL, revelou que a regulamentação deste mercado, que em Portugal vale entre 500 e 600 milhões de euros anuais, é de «vital importância».

«O código de conduta estabelece deveres éticos e normas que evitam situações de conflito de interesses e define ainda um regime de incompatibilidades, evitando situações que decorrem de vazios legais», disse.


O Código de Conduta relativo às Apostas Desportivas apresentado pelo director-executivo foi também adotado por unanimidade das 30 ligas. O código aborda áreas fundamentais como o regime de incompatibilidades para jogadores, árbitros, treinadores, dirigentes e outros agentes, que conduzirá a iniciativas legislativas internas, que deverão entrar em vigor, o mais tardar, até ao início da próxima época.

“A ameaça é séria e indisfarçável”, admitiu Emanuel Medeiros, exortando o poder político, “governos nacionais e instituições comunitárias a assumirem a sua quota-parte” no combate a essas ameaças à prosperidade do futebol.

O exemplo do governo português – que tem uma comissão interministerial a trabalhar para legislar em breve sobre as apostas desportivas – foi saudado na AG da EPFL. A França foi o primeiro país comunitário a publicar uma lei neste âmbito (em maio) e a Espanha e a Grécia também já preparam legislação.

Fotos: Público + EPFL

Página Inicial

0

Bwin é a nova patrocinadora da Taça da Liga em Portugal

05 outubro, 2010

Bwin sucede à Carlsberg no patrocínio da Taça da Liga Portuguesa de Futebol

A Taça da Liga será designada “bwin Cup” nas próximas três edições!

No decurso de uma conferência de imprensa realizada no Porto, na sede da LPFP, a Bwin, empresa líder mundial de entretenimento online, apresentou um novo patrocínio em Portugal. Num acordo válido para as próximas três edições, a bwin será a patrocinadora da competição Taça da Liga, agora designada “bwin Cup”.

Manfred Bodner, Co-CEO da bwin, fez a seguinte declaração:

É com imenso orgulho que demos mais este passo em frente no fortalecimento da nossa já duradoura ligação à Liga Portuguesa de Futebol Profissional. Uma colaboração próxima entre os desportos profissionais e os líderes da indústria de jogo online como a bwin irá certamente contribuir para uma garantia de integridade nos desportos e no entretenimento, para ambos consumidores e atletas”.

O recente acordo de patrocínio foi confirmado para as temporadas 2010/2011, 2011/2012 e 2012/2013. Os direitos adquiridos pela bwin incluem a presença do seu logótipo nas camisolas de todos os jogadores participantes na Taça da Liga, além de uma presença reforçada nos estádios dos clubes.

É importante referir que o acordo também inclui acções conjuntas de media, a integração da bwin no website da Liga e o lançamento da página www.bwincup.com. Todos os jogos serão igualmente transmitidos em Bwin para uma audiência global fora de Portugal.

A Taça da Liga é uma competição organizada pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional, realizada pela primeira vez na época futebolística de 2007/2008. Todas as equipas da Primeira Liga de Futebol e da Liga de Honra – disputadas por um total de 16 clubes cada – farão parte desta competição.

Há já alguns anos que a Bwin coopera activamente com a Liga Portuguesa de Futebol Profissional. Entre 2005 e 2008, foi patrocinadora oficial da primeira divisão da Liga Portuguesa de Futebol, permanecendo sua parceira oficial desde então e até aos dias de hoje.

Nas suas actividades de patrocínio, a bwin sempre se focou em desportos mais populares tais como o futebol, o basquetebol ou os desportos motorizados, não apenas a nível internacional mas também nacional.

A lista de parceiros é extensa: a Bwin é a principal Patrocinadora do Real Madrid, Parceira Global da FIBA e patrocinadora de todos os seus campeonatos Europeus e Mundiais. Além de Parceira habitual do MotoGP desde 2004, detém também o “Title Sponsor” dos circuitos de Jerez (Espanha) e Estoril.

Fonte: Bwin

Página Inicial

0

Poker é um Desporto da Mente

04 outubro, 2010

Poker é oficialmente considerado jogo da mente

Sabia que o Poker é já considerado oficialmente um desporto da mente, tal como o Xadrez, Damas, Bridge, e o "Go" e que existe uma competição mundial semelhante aos Jogos Olímpicos mas na vertente das capacidades estratégicas mentais que também terão lugar em Londres 2012?

Esta é uma notícia já foi confirmada em Abril/2010 pela International Mind Sports Association (IMSA) e coloca o Poker a par das modalidades referidas. Antes desta decisão, o Poker era visto como um jogo de sorte ou azar.

Anthony Holden, presidente da Federação Internacional de Poker disse tratar-se de um marco histórico no sentido de ver o poker ser reconhecido em todo o Mundo como um jogo de capacidades estratégicas. No futuro, esta decisão deverá libertar o poker de muitas interferências governamentais e outras restrições desnecessárias em todo o Mundo.

Agora que assegurou a aceitação por parte da IMSA, o poker é oficialmente um Desporto da Mente e a IFP elegível para integrar a SportAccord. Isso irá obrigar à satisfação de todas as suas exigências para obter a aprovação formal no seu congresso de 2011 em Londres”, explicou Holden, passando a referir as exigências da SportAccord: “Acima de tudo, precisamos de ter um mínimo de 40 federações de pelo menos, 3 continentes. Já atingimos mais de 50% desse objectivo e, graças à decisão tomada pela IMSA, não deveremos ter grandes dificuldades para garantir o que falta durante os próximos 12 meses”, admitiu, confiante de que “o mundo do poker irá reunir esforços nem que seja porque isso poderá significar a presença deste jogo nos World Mind Sports Games em 2012”.

Quanto à regulamentação do poker online na europa, ainda existem divergências em diversos estados-membros. Enquanto na Itália, e recentemente na França já se legislou a actividade, em Portugal ainda está em fase de estudos.

Desse modo a total regulamentação do poker online no continente europeu deve atingir a grande maioria dos países a breve prazo, não sendo exagero esperar que essa tendência seja observada também em outros continentes na mesma proporção em que o jogo explodiu por todo o mundo.

Página Inicial

Ler Mais
 

Aposta X - Futebol e Apostas Online